Linhas de vivência

Potencial Genético e Linhas de Vivência

Segundo o modelo teórico da Biodanza, o indivíduo nasce com um potencial genético (uma série infinita de disposições) que pode ou não se desenvolver dependendo da ecologia que o circunda.

A expressão desse potencial genético se dá através de cinco canais que denominamos linhas de vivência: vitalidade, sexualidade, criatividade, afetividade e transcendência. O desenvolvimento das linhas de vivência é influenciado por fatores ambientais – os chamados ecofatores – que a pessoa encontra durante sua vida: geográficos, sócio-econômicos e, principalmente, os ecofatores humanos, os quais assumem um papel central nesse desenvolvimento – através dos encontros, o humano se constrói, nutrindo e ampliando suas fronteiras.

São justamente os primeiros contatos com o mundo (protovivências), que mais marcam a história individual. As protovivências são as vivências que envolvem os primeiros seis meses de vida, quando o bebê começa a experimentar o mundo pela primeira vez. Os pais, ou seus substitutos, e sua atitude perante essas primeiras experiências humanas influenciam aspectos pessoais como a capacidade de vínculo, a capacidade de expressão, a auto estima, o sentimento de segurança, a capacidade de desfrutar, em resumo, o desenvolvimento de suas linhas de vivência.

Felizmente, o potencial genético não entra em estagnação, pelo contrário, ao estar em constante movimento, a aprendizagem se estende por toda a vida. Todo ser humano tende ao crescimento – movimento esse citado por diversos autores em psicologia, biologia e outras ciências da vida, entre eles Rogers, Maturana, Berne, Steiner –, o qual dependerá especialmente da influência dos ecofatores humanos positivos para que possa se expandir em todo seu esplendor.

A Biodanza, através da vivência (conjunto música, dança e movimento que nos enraíza no momento presente), oferece a oportunidade de desenvolver plenamente esses potenciais e expressão da identidade no mundo. Através de exercícios específicos, de músicas deflagradoras e da interação coletiva, criamos um ambiente protegido, de afeto para que esse desenvolvimento se dê, expandindo as linhas de vivencia de cada pessoa, as quais são:

Vitalidade

A vitalidade se caracteriza em termos gerais por harmonia orgânica e um bom nível de saúde. Do ponto de vista existencial, vitalidade é possuir fortes motivações para viver e possuir energia disponível para a ação (ímpeto vital). Sentimentos de alegria interior, entusiasmo, plenitude existencial são características de uma pessoa vital.

A vitalidade está vinculada ao humor endógeno (estados de ânimo, eufórico ou depressivo). A integração das cinco linhas de vivência reforça a vitalidade devido à elevação global das motivações para viver.

O amor à natureza, os jogos e o vínculo com os próprios instintos são características do “homem ecológico” – homem integrado a si mesmo, às pessoas e ao universo. A qualidade da vida não provém do êxito social ou econômico, mas sim dos vínculos profundos de conexão com a vida.

Sexualidade

Em seu sentido mais amplo, a sexualidade é o conjunto de características particulares que distinguem física e emocionalmente o macho da fêmea, tanto nos animais como nos vegetais. Isto significa que na sexualidade participam componentes genéticos diferentes (exceto nas flores hermafroditas). É a diferenciação sexual que permite o processo de fecundação. A sexualidade possui, portanto, um papel basilar na reprodução das espécies e na continuidade da vida.

Sexualidade e vida estão indissoluvelmente unidas. O desejo sexual constitui uma forte motivação para viver. No ser humano, a sexualidade esta associada ao prazer, possivelmente como um recurso da natureza para assegurar a continuidade da espécie.

A sexualidade humana adquire expressões emocionais, afetivas e de refinamento de grande importância, é um modo de ser e de crescer, no qual a sensualidade desempenha um papel importante. A sensualidade é a sensibilidade global aos estímulos de prazer e não só ao estímulo genital. A pessoa sensual tem uma grande receptividade ao contato corporal. Sensualidade é sentir prazer pelos alimentos, pelo banho, pela brisa a e pela chuva, pelas carícias e beijos.

Criatividade

Criatividade é uma atividade que forma parte integrante da transformação cósmica, um caminho do Caos a ordem. A atividade criativa organiza uma linguagem única e partir da vivência. O ser humano se manifesta como impulso de inovação frente à realidade.

A obra de criação é sempre o expressivo resultado do ato de viver. A criação é uma função de auto transcendência, uma extensão do processo de vida. A forma mais elevada de expressão da criatividade é a criatividade existencial que se traduz nos atos do cotidiano.

Afetividade

Afetividade é um estado de afinidade profunda para com os seres, capaz de originar sentimentos de amor, amizade, altruísmo, maternidade, paternidade, companheirismo. No entanto, sentimentos opostos como a ira, os ciúmes, a insegurança, a inveja, podem ser considerados integrantes do complexo fenômeno da afetividade.

Através da afetividade nos identificamos com outras pessoas e somos capazes de compreendê-las, amá-las e protegê-las, mas também de recusá-las e agredi-las. Segundo Ortega e Gasset, a afetividade abarca qualquer das paixões do ânimo, em especial o amor, o carinho e o ódio.

A linha de Afetividade tem em Biodanza sua expressão privilegiada no amor, manifestada através dos sentimentos de empatia, solidariedade e comunhão com a espécie. A afetividade pode ter a dimensão do “amor diferenciado”, dirigido a uma só pessoa, e a do “amor indiferenciado”, dirigido à humanidade. As formas patológicas da afetividade se expressam na destrutividade, a discriminação social, o racismo, a injustiça e os impulsos autodestrutivos.

De modo diferente das vivências (que são estados passageiros “aqui e agora”), a afetividade é complexa, com duração no tempo (recordações), participação da consciência e representação simbólica.

A afetividade é um estado evolutivo superior que não vai necessariamente unido à sensibilidade nem à inteligência. O sentimento de amor à humanidade, expressado em ações, está unido ao processo evolutivo da espécie. Pessoas inteligentes e sensíveis, mas sem capacidade de amor são capazes de inconcebíveis níveis de violência.

Transcendência

Em Biodanza o conceito de transcendência consiste na função natural do ser humano de vinculação essencial com tudo o que existe: seres humanos, animais, vegetais, minerais; em síntese, com a totalidade cósmica.
Em Biodanza, o conceito de transcendência se refere a superar a força do Ego e ir para além da autopercepção, para identificar-se com a unidade da natureza e com a essência das pessoas. Transcender é superar um limite. Quem não pode abandonar a consciência de si mesmo, não tem a possibilidade de ingressar à experiência transcendente.

Anúncios